quarta-feira, 23 de março de 2011




Entre Gil e Gal
só muda uma vogal.

terça-feira, 22 de março de 2011


                         O segredo dos cachos negros
                         de meu bem,
                         é sabão de coco, Iaiá,
                         sabão de coco.

segunda-feira, 21 de março de 2011

Por Érica e Jober

Poesia é a minha viga.


domingo, 20 de março de 2011

sexta-feira, 4 de março de 2011

Carta de amor à moda da casa

Para o vaga-lume do meu quintal

Meu bem, meu zen,
não há mal a se temer.
O risco, arisco, contempla a todos.
O antídoto para os dias
cozinhamos nas brechas do cotidiano.
Há tanto azul na janela
e você é o Eros da manhã.
Tantas são as palavras que não precisam ser ditas.

Minha boca nas cordas da viola,
seus dedos alisando as canções.
E tudo é textura,
tudo é pretexto.
Gosto de abocanhar seu riso ainda fresco.
Madrugar no movimento dos barcos.
Suspeitar encantamentos na superfície negra do mar.
Só o delírio existe, o resto é ficção.